Saúde dos sistemas marinhos
A segurança alimentar é um dos principais desafios da nossa atualidade. Para resolver os
problemas relacionados a segurança alimentar são necessárias ações relacionadas ao i.
entendimento da biodiversidade e biotecnologia marinha, ii. aquicultura e pesca, e iii. uso
sustentável dos recursos marinhos. É fundamental entender melhor as áreas pesqueiras e de alta
biodiversidade e endemismo no Brasil, tais como, o novo sistema recifal amazônico (ao largo
dos estados do Pará e do Amapá), onde se encontram os maiores recifes e a principal região de
pesca marinha brasileira (https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fmars.2018.00142/full).
É evidente a atual vulnerabilidade dos sistemas aquáticos e marinhos brasileiros e a relativa
complacência de certos segmentos da academia frente a desastres recentes (Thompson et al.
2019).
Mais ainda, como não existem barreiras que separam os oceanos, eventos e ações de qualquer
natureza impactam a curto e médio prazo todos os oceanos, portanto todos os países. Por
exemplo, o episódio recente de derrame de petróleo, de origem desconhecida, na costa
brasileira que afetou recifes altamente relevantes para a nossa biodiversidade. Embora tenham
grande potencial para a bioeconomia, vastas regiões recifais estão vulneráveis devido a ação
humana. Abrolhos foi recentemente atingido pela lama de rejeito do Rio Doce (Francini-Fo et
al. 2019) e por manchas de óleo. Além disto, a região vem sofrendo com a poluição local e
pesca descontrolada. Estudo de grupo internacional lista os recifes de Abrolhos como
prioridade para conservação global porque mudanças globais seriam menos severas nos recifes
brasileiros (Huegh-Guldberg et al. 2019, 2018, 2019). É fundamental desenvolver sistemas de
monitoramento marinho (biosensores) e metodologias que permitam valorar os recifes
brasileiros, como por exemplo, nos moldes do que tem sido feito com sistemas florestais
(Cunha et al. 2014).
O oceano global representa aproximadamente US$ 3 trilhões da economia global por ano, ou
5% do PIB global. 40% dos oceanos estão sendo afetados incisiva e diretamente por atividades
humanas, como poluição e pesca predatória, o que resulta, principalmente, em perda de habitat,
introdução de espécies invasoras e mudanças na qualidade de água. O oceano global representa
enorme potencial para gerar riqueza que ainda é pouco explorado. O novo painel denominado
Building a Sustainable Ocean Economy (https://oceanpanel.org/) das Nações Unidas pretende
desenvolver soluções para melhorar a saúde e riqueza dos oceanos em termos de educação,
política, governança, tecnologia, e economia sustentável do oceano global
(http://www.agenda2030.com.br/). O Brasil possui vasta região marinha, de aproximadamente

2

5.7 milhões de Km
2
, denominada Amazônia Azul. Esta região é rica em biodiversidade que
poderia ser usada na biotecnologia e bioeconomia através de inovações nas ômicas, cultivos
(fazendas marinhas) e pela engenharia (e biologia sintética). Embora, o Brasil detenha vasta
região marinha, a produção aquícola nacional (800 mil toneladas/ano) é praticamente toda
originada do continente, em contraste com outros países como Japão, China, e Noruega, onde
há intensa produção no mar.
Biotecnologia marinha e a implantação de fazendas marinhas
A biotecnologia marinha voltada para o desenvolvimento de produtos e processos produtivos
no mar. O desenvolvimento da aquicultura pode contribuir para a inovação e para a geração de
novos postos de trabalho. Em países desenvolvidos, como nos EUA, são formados aprox. 50
mil doutores anualmente, mas apenas ~5 mil posições acadêmicas são criadas em instituições
de ensino e pesquisa neste país. Portanto, novas opções de postos de trabalhos são necessárias,
incluindo start-ups, industria, consultorias, e jornalismo. Produtos da biodiversidade marinha,
como proteínas (enzimas), e vitaminas podem ser fonte para inovação, e para atacar problemas
relacionados aos objetivos de desenvolvimento sustentável (http://www.agenda2030.com.br/).
Por exemplo, algas e microalgas marinhas possuem enorme potencial econômico como fonte de
biomassa para a produção de alimentos, rações, remédios, produtos químicos e
biocombustíveis. A composição química das microalgas marinhas é comparável com a da soja,
contendo altos níveis de proteínas. Entre os ácidos graxos produzidos pelas microalgas, os
poliinsaturados das famílias ω-3 e ω-6 são de particular interesse como, por exemplo, os ácidos
graxos eicosapentaenóico (EPA; C20:5) e docosahexaenóico (DHA; C22:6), que possuem
efeitos benéficos no combate à diversas doenças e sub-nutrição. Embora exista enorme
potencial para o uso da biodiversidade marinha na bioeconomia, apenas poucos exemplos de
drogas de origem marinha (Thompson et al. 2017). Exemplos incluem i. Trabectedin
(Yondelis), um antitumoral derivado de um tunicato, ii. Vidarabine, um antiviral derivado de
esponja, iii. Cytarabine, antileucemia, derivado de esponja, e iv. Ziconotide, um analgésico
derivado de lesma. Estudos recentes envolvendo ômicas tem demonstrado que os micróbios
simbiontes destes organismos marinhos são os produtores destas substâncias terapêuticas,
abrindo a possibilidade de produção de componentes terapêuticos a partir de fermentações.
A Amazônia Azul apresenta enorme potencial para a inovação e a produção aquícola. Entretanto,
apenas ínfima parcela da região marinha brasileira é empregada para a produção de alimentos e
componentes da biota marinha (camarões no nordeste e ostras em Santa Catarina). A maior parte
da produção aquícola brasileira (~90%) vem do continente através da produção de peixes de
água doce (por ex. tilápias e peixes redondos)

(https://panoramadaaquicultura.com.br/aquicultura-no-brasil-principais-especies-areas-de-
cultivo-racoes-fatores-limitantes-e-desafios/). O cultivo de peixes em fazendas marinhas oferece

excelente oportunidade para ampliar a produção no mar (Bezerra et al. 2016) e preservação dos
recifes. A produtividade destes cultivos é elevada, podendo chegar a 15Kg de peixe/m3
. Uma
fazenda de 12 hectares pode produzir 500 toneladas de peixe por ano. Mesmo em sistemas
menos intensivos, é possível garantir a segurança alimentar para as comunidades costeiras de
pescadores, evitando assim, que seja realizada a pesca nos recifes. As pescarias vêm sofrendo
redução na região de Abrolhos e alternativas são necessárias para garantir a segurança alimentar
de populações vulneráveis.

3
Entretanto, estas fazendas marinhas precisam ser instaladas em áreas cuidadosamente
selecionadas, que não afetem os sistemas marinhos (ex. mangues, recifes), e que apresentam alta
qualidade de água, além de acesso a energia elétrica, insumos necessários para a sua pronta
manutenção e logística. Poluentes podem reduzir a produtividade de peixes e mesmo causar
quebra de safra, levando ao colapso da atividade. Uma alternativa para contornar o problema
relacionado a poluição seria o desenvolvimento de sistemas agroecológicos (=recifes artificiais)
em áreas severamente impactadas por poluentes industriais. A recuperação da biodiversidade e
dos recifes já existentes em Abrolhos e que foram formados há milhares de anos naturalmente
poderia ser facilitada pela implantação de sistemas agroecológicos. Recifes artificiais são mais
resilientes as variações aos parâmetros físico-químicos e biológicos da água, permitindo
reciclagem de poluentes através do aumento acentuado da biodiversidade marinha (Lima et al.
2019). Após aprox. 3 anos de instalação destes sistemas há aumento significativo na abundância
de organismos bentônicos (tais como esponjas, tunicados, pepinos do mar, e corais) e de peixes
(Lima et al. 2019). A biodiversidade pode ser empregada para diferentes aplicações
biotecnológicas no contexto da bioeconomia marinha (Thompson et al. 2018). Embora exista
tecnologia disponível para implantação de fazendas/sistemas agroecológicos marinhos, e de
mercado consumidor interno, ainda são necessários estudos de escala e de localização de
empreendimentos no mar (Cosenza et al. 2015; Nobre et al. 2007).
Inovação no monitoramento de poluentes em sistemas marinhos da Amazônia Azul
Petróleo é lançado nos oceanos (>600mil toneladas/ano) naturalmente ou devido a incidentes de
derrame (Hazen et al. 2016). Derrames de petróleo são comuns, tais como: i. 3700 barris
derramados em novembro de 2011 na Bacia de Campos pela Chevron, ii. 5 milhões de barris
derramados em Abril de 2010 no Golfo do México pela BP, e iii. 8169 barris derramados em
Janeiro de 2000 na Baia de Guanabara pela Petrobras. Dois incidentes aconteceram este ano no
Brasil. Em Abril 2019, as praias da região dos Lagos Fluminense (Arraial,Cabo Frio e Búzios)

foram atingidas por óleo muito denso (https://g1.globo.com/rj/regiao-dos-
lagos/noticia/2019/04/04/oleo-preto-e-denso-no-mar-de-arraial-buzios-e-cabo-frio-rj-sera-
analisado-ha-suspeita-de-ser-petroleo.ghtml). A Petrobras parece ter assumido a

responsabilidade por este incidente no RJ. No final de agosto de 2019 manchas de petróleo
pesado começaram a aparecer nas praias da Paraiba e Sergipe. Subsequentemente, as manchas se
espalharam para mais de 500 localidades em Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba,
Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Espírito Santo e no Rio de Janeiro

(https://g1.globo.com/natureza/noticia/2019/10/08/lista-de-praias-atingidas-pelas-manchas-de-
oleo-no-nordeste.ghtml). Já foram coletadas pelo menos 370 toneladas de resíduos nas praias

nordestinas, principais afetadas pelo derrame, incluindo pelo mais de dez áreas marinhas
protegidas.
Vale destacar a chegada de petróleo no Banco de Abrolhos, o maior sistema recifal do Atlântico
Sul. O petróleo pode sofrer biodegradação (processo natural de biorremediação) no ambiente
marinho (Hazen et al. 2016). O petróleo é biodegradado pela ação microbiana (Appolinario et al.
2019). Microrganismos presentes no sedimento marinho e na coluna de água dos sistemas
marinhos costeiro e oceânico são capazes de degradar petróleo sob diversas condições
ambientais (Appolinario et al. 2019; Campeão et al. 2017). Além desta capacidade natural dos
sistemas marinhos, há estudos que sugerem o uso de dispersantes químicos (por ex. o Corexit
https://en.wikipedia.org/wiki/Timeline_of_the_Deepwater_Horizon_oil_spill) para conter o

4
espalhamento do petróleo. Aprox. 3 milhões de litros de dispersante da BP foram usados no
acidente no Golfo do México em 2010 para evitar que o petróleo chegasse a costa (Paris et al.
2018). O dispersante não estimula a biodegradação em águas profundas das Bacias de
Barreirinhas e da Foz do Amazonas (Campeão et al. 2017). Outros estudos sugerem que o
dispersante seria tóxico para a vida marinha e para o processo de biodegradação (Kleindienst et
al. 2015). Portanto, é relevante monitorar os poluentes no mar, e processos de biodegradação
(processo natural de biorremediação) e toxicidade de dispersantes na biota (corais, peixes, e
outros organismos) e microbiota marinha para fornecer conhecimento para tomada de decisões.
O Petróleo acumulado nos sistemas marinhos (coluna d ́água, sedimento, recifes) causa diversos
impactos e prejuízos. Estudos pioneiros na Bacia de Campos demonstraram que em condições
controladas de laboratório, as taxas de biodegradação são similares ao longo da coluna d ́água
quando comparamos superfície, máximo de clorofila (80 m) e fundo (1200 m) na Bacia de
Campos, após aprox. 30 dias (Appolinario et al. 2019; Campeão et al. 2017). Entretanto, as taxas
de biodegradação em outras localidades, tais como no nordeste brasileiro, ainda não são
conhecidas. Também não se sabe quanto tempo leva para ocorrer a biodegradação de petróleo
em sedimentos de praias e recifes brasileiros. Estudos no Golfo do México mostraram que
grande parte do petróleo derramado no acidente de Macondo (pela BP em abril de 2010) foi
depositado nas proximidades (<8 km) da cabeça do poço e contaminou uma área de aprox. 3200
Km2
no entorno (Valentine et al. 2014). Após 4 anos, aprox. 75% dos alifáticos (com mais de 29
carbonos) e 25% dos aromáticos (com mais de 14 carbonos) ainda persistiram nas amostras de
sedimentos, pois a massa molecular e a estrutura de hidrocarbonetos influenciam as taxas de
biodegradação (Bagby et al. 2017). A degradação progressiva é mais lenta com o aumento da
massa molecular, número de anéis e ramificação alcil. Não se conhece a cinética de
biodegradação de petróleo em sedimentos ricos em carbonato, como é o caso de sedimentos de
Abrolhos.
O Banco de Abrolhos (45 mil Km2

) se localiza na plataforma continental no sul do Estado da

Bahia. Os recifes de Abrolhos (aprox. 22 mil Km2

) ocorrem em regiões rasas e mesofóticas,
sendo constituídos especialmente por corais, rodolitos, e outros organismos carbonáticos
(Francini-Fo et al. 2013). Embora algumas matérias jornalísticas recentes argumentem que os
corais teriam a capacidade de degradar petróleo, ainda não há comprovação científica que
embase tais afirmações. Ao contrário, não se sabe se corais e outros organismos construtores de
recifes poderiam sequer tolerar pequenas concentrações de petróleo, seja pela toxicidade direta
de componentes do petróleo (por ex. BTEX), seja pelo efeito físico do petróleo sobre esta biota
bentônica. Também não se sabe como o petróleo e outros poluentes afetam as teias ecológicas e
a sustentabilidade das pescarias (Silveira et al. 2017). A pesca e o turismo são atividades
econômicas importantes para as comunidades desta região de Abrolhos, podendo gerar
vulnerabilidade em desastres de derrame de petróleo. Porém, não há estudos sistematizados em
condições controladas de laboratório, e no campo, que avaliem o destino do petróleo e de outros
poluentes em corais e outros componentes da biota de Abrolhos.
Biosensores (metagenomas) são sistemas biológicos que reconhecem, detectam e quantificam a
presença de poluentes no ambiente, na biota, e em processos industriais. O metagenoma prediz
quantitativamente a poluição e os processos biogeoquímicos (Gregoracci et al. 2012; Smith et al.
2015). Estes biosensores servem como impressão digital do ambiente e até mesmo para fins de

5
investigação forense. Portanto, servem como alerta precoce de mudanças dos sistemas marinhos.
Também podem ser empregados no estudo da biota marinha (por ex. corais, peixes, esponjas, e
rodolitos). Os biosensores respondem rapidamente aos poluentes na água (Appolinario et al.
2019). Mesmo para as frações mais voláteis dos hidrocarbonetos (BTEX) que tem naturalmente
presença efêmera no meio marinho, os biosensores funcionam muito bem. A presença destes
voláteis influencia no perfil dos biosensores e portanto, é possível detectar a presença dos
poluentes. É importante detectar estes poluentes voláteis pois são bastante tóxicos para a biota
marinha. Porém, nem sempre é conhecida a natureza dos poluentes, e análises do DNA
ambiental podem nestes casos servir como uma ferramenta forense. No episódio de derrame de
rejeito da mineração da Vale-Samarco em Mariana no Rio Doce, foi possível detectar o aumento
de genes ligados a ciclagem e degradação de aminas, embora não fosse explicita a presença
destes floculantes no rejeito (Cordeiro et al. 2018). Mais tarde a empresa informou que teria
usado aminas como floculante nos reservatórios. Em outro exemplo, foi observada alta
abundância de genes ligados a degradação de agrotóxicos em áreas de agricultura, comparadas
com áreas protegidas do Parque Nacional Serra do Orgãos (Lopes et al. 2016). Estes estudos
demonstram claramente que os biosensores (metagenomas) servem como ferramentas para
acessar a saúde ambiental e serão úteis para o monitoramento da Amazônia Azul.
Existe evidente necessidade de biosensores que permitam monitorar a Amazônia Azul no
contexto do One Health (Saúde Única). Os biosensores podem ser empregados para o
monitoramento de diferentes tipos de poluentes, incluindo poluição orgânica (efluentes
domésticos e sanitários) ( https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31059870 ), rejeitos de
mineração ( https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S004896971934015X ), e
hidrocarbonetos ( https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30901643 ). Como não existem
barreiras que separam os oceanos, eventos e ações locais e globais de qualquer natureza
impactam a curto e médio prazo todos os oceanos e, portanto, todos os países. Vários aspectos
sócio-econômicos e a segurança alimentar podem ser afetados negativamente pela falta de um
plano para o uso sustentável da nossa Amazônia Azul. Assim, é urgente o desenvolvimento de
um plano que permita melhorar a sustentabilidade do meio marinho brasileiro.

UFRJ Colégio Brasileiro de Altos Estudos - UFRJ
Desenvolvido por: TIC/UFRJ